domingo, 1 de setembro de 2013

JOSÉ MARIA FONTES: Um dos precursores a cativar do Modernismo em Sergipe ao lado de Abelardo Romero.

Por: Allan de Oliveira.
Contato: allantbo@hotmail.com



José Maria Fontes nasceu em Riachuelo, município de Sergipe, em 26 de junho de 1908. Na cidade onde nascera iniciou seus estudos, e, posteriormente, estudou em Aracaju o que hoje chamamos de Ensino Médio.

Na capital do Estado, o autor exerceu as atividades de jornalista, fundando e dirigindo alguns jornais, a de funcionário público na área de saúde e a de professor de inglês. Fez crítica cinematográfica na revista Renovação e no jornal A República.

Quanto aos seus poemas eles demonstravam influências do Modernismo, ao serem notados o uso de versos brancos, e a influência do poeta humanista de procurar passar em seus poemas os problemas sociais.

Sabe-se que ele publicou poucos livros e que muitos dos seus poemas são inéditos.

Foi um dos realizadores da “Noite da poesia moderna” que aconteceu no Cinema Guarany em 1929.


José Maria Fontes faleceu em Aracaju em agosto de 1994.

Ela

Vista de olhos fechados
Entre o sono e a vigília,
Essa ideal desejada
Toda aberta em sorriso.

Que mulher, e onde a vi,
Não sei, é terna, e sorri sempre
Se é a que me transmite os poemas,
Jamais o hei-de descobrir.

Quando a fitei, num frio anelo
De aprofundá-la, a sua face
Vi entristecer, e a dissipar-se
Voltava ao nada de onde viera.

À porta de um sonho incerto,
Não entra nem sai. Parada,
Me olha, branca, loura e jovem. Perto
E longe – Ó quão longe – a impossível amada.

(Trinta poesias curtas / 1959)

In: A Poesia Sergipana no Século XX de Assis Brasil, p. 72.


Símbolo

Sabemos que haverá um dia intimidade
Entre todas as gentes:
- Ideias lançadas como sementes, para uma colheita certa,
A reunião de inexprimíveis pensamentos
Em um só compreensivo sentimento.

- Um clarão de fé, fraternal e vivo, jubiloso e grave, como
A voz dos galos, aclamando, ainda no escuro,
A infalível alvorada...
Todos estão despertos,
Os das cidades, e das fazendas, os das montanhas ou dos vales,
E o eterno sinal se multiplica
Para acordar a terra, em toda terra...

Será como o anúncio mundial de uma nova criação,
Por mil vozes de amor, impondo a Paz e o Bem.

(O realismo social na poesia em Sergipe / 1960)

In: A Poesia Sergipana no Século XX de Assis Brasil, p. 73.


OBRAS:

* Versos (1952)

* Sonho e Realidade (1955)

* Trinta Poesias Curtas (1959)

REFERÊNCIAS:

BRASIL, Assis. A Poesia Sergipana no Século XX. Rio de Janeiro. Imago Editora, 1998.

Infonet – O Centenário de um modernista – Por: Luíz Antônio Barreto. Disponível em: < http://www.infonet.com.br/luisantoniobarreto/ler.asp?id=74682&titulo=Luis_Antonio_Barreto>. Acesso em: 07 ago. 2013.

Wagner Lemos: Autores sergipanos por ordem alfabética pelo sobrenome de A-G. Disponível em: < http://www.wagnerlemos.com.br/autores.htm>. Acesso em: 05 ago. 2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário